A Genetec e o Brasil: Entrevista com Pierre Racz, presidente da Genetec

A Genetec completou cinco anos no Brasil. Como você avalia a atuação da empresa nesse período?
Fizemos um crescimento magnífico aqui. Começamos apenas com o Denis Côté e agora estamos com uma equipe de dez colaborares, quase todos engenheiros. Na verdade, o Brasil foi um experimento para a Genetec. Quando éramos menores e não tínhamos orçamento, colocávamos apenas uma pessoa de vendas e tentávamos fazer tudo remotamente. Mas aqui no Brasil não, nós construímos a organização, rapidamente encontramos recursos de vendas e recursos técnicos. E isso se tornou um modelo de expansão da Genetec em outros países ao redor do mundo. Tem sido um grande sucesso.

Então, o Brasil tem sido bom para sua empresa até agora?
Sim, acho que é muito mais fácil para uma empresa que vende software, por algumas razões. Em primeiro lugar, a tarifa é muito menor para o hardware e, em segundo lugar, podemos enviar material do Canadá para o Brasil instantaneamente, a internet é barata. Ter uma boa cooperação também é importante, entre uma base de usuários ativos e os designers, e é isso que temos. Temos contatos próximos com nossos usuários, eles nos dizem os requisitos específicos que precisamos criar para que a solução seja implantada em determinada região e nós construímos esses requisitos. Por exemplo, o Brasil foi muito influente na mudança do Projeto Luz Azul, rapidamente integramos esses requisitos e então pudemos dar soluções que satisfizesse as exigências brasileiras.

Quais são os planos de ação da Genetec para esse ano no Brasil?
O primeiro é que temos uma ação de comunicação que explica a todos que somos muito mais do que apenas uma gravadora de vídeo. Esta é uma mensagem importante, as pessoas pensam em nós como uma empresa de gravação de vídeo, porque nós éramos realmente um dos primeiros a introduzir vídeo IP, mas somos muito mais do que isso. Agora vamos ser a quinta maior empresa de controle de acesso na América do Norte e as coisas que estamos fazendo com a leitura da placa de carros e com aplicações para verticais específicas, nos tornam muito mais integrados nas operações da empresa do que simplesmente vídeo. Um exemplo, nós começamos a colocar câmeras de segurança nos aeroportos, mas então rapidamente começamos a trabalhar em várias áreas do aeroporto. Nas operações, na gestão do parque de estacionamento e nas lojas (Genetec Retail Sense). Outra coisa que fazemos em operações aeroportuárias é que temos tecnologia e produtos que realmente são usados para maximizar o fluxo de passageiros de uma área para a outra, sem colocar atraso onde temos pontos de verificação de segurança. Isso são coisas positivas. Em primeiro lugar, aumenta a felicidade dos passageiros, pois reduz o tempo de espera, e em segundo lugar, aumenta a receita do aeroporto, porque as pessoas utilizam esse tempo nas lojas. Em um grande aeroporto, a cada dez minutos que o passageiro gasta esperando em uma linha de segurança de embarque e desembarque, significa R$50,00 a menos que ele irá gastar em restaurantes ou em uma loja.

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…