9 razões para acreditar que os dispositivos domésticos inteligentes estarão em todo lugar em 2018 e porque esse deve ser um novo mercado para os integradores

Muito tem se falado sobre dispositivos residenciais inteligentes e Internet das Coisas (IoT) e parece que essa tendência chegou para ficar.

Mesmo que as soluções disponíveis no mercado sejam simples de instalar, uma série de produtos que não interagem e a percepção do público sobre a importância do serviço de instalação torna o mercado de suporte mais atraente. Seguindo essa tendência, o mercado de DIY (sigla em inglês ‘Do It Yourself’, que significa ‘Faça Você Mesmo’, em português) tem se tornado uma oportunidade para os integradores de segurança explorarem.

9 sinais de que a instalação de dispositivos domésticos inteligentes aumentará em 2018:

1. Produtos mais fáceis e mais baratos são onipresentes nos dias de hoje.
Porém a questão da interoperabilidade e da configuração entre tantos padrões e sistemas diferentes pode confundir mesmo a DIY mais determinada.

2. No período de apenas um ano, os grandes varejistas aumentaram dramaticamente o espaço na prateleira e na visibilidade dos dispositivos domésticos inteligentes.
A visibilidade aumenta as compras por impulso por consumidores não preparados. Segundo a Parks Associates, cerca de 40% dos consumidores gastaram menos de um dia comprando produtos para casas inteligentes.

3. As empresas de Smart Home continuam a promover a simplicidade de suas soluções, incentivando os consumidores a comprar produtos que não estão capacitados para instalar.
Duas das compras de varejo mais populares, termostatos e campainhas de vídeo, podem representar desafios especiais baseados na fiação existente de uma casa e em dispositivos conectados – algo que os fabricantes não anunciam exatamente nas embalagens. Para Scott Harkins, VP do programas de parceiros IoT da Honeywell, disse que cerca de metade dos consumidores que compram termostatos no varejo abandonam seus sonhos do “Faça Você Mesmo” e contratam um profissional.

4. Muitos fabricantes continuam a cometer o erro de sobrecarregar seus produtos.
Quando os consumidores compraram o ‘Nest and Ring’ e o ‘Amazon Echo’, eles estavam interessados em talvez um ou dois recursos. Somente depois de terem gostado da experiência construíram um ecossistema de soluções, de acordo com a empresa de pesquisa NPD. No caso do Echo, por exemplo, 48% dos proprietários compraram seu primeiro produto de automação residencial depois de adquirir o Echo. Entre os proprietários do Google Home, 57% compraram seu primeiro dispositivo IoT depois que o alto-falante inteligente entrou em suas vidas.

5. As tecnologias sem fio podem simplificar a instalação, mas a proliferação de ondas sem fio causa estragos nas redes domésticas.
A situação está apenas piorando, mesmo que os consumidores possam investir em Wi-Fi de malha e outras soluções de melhoria de rede. OTT (Over-The-Top), distribuição de vídeo 4K e realidade virtual punem uma infraestrutura sem fio que deve ser compartilhada com câmeras, sensores e inúmeros outros dispositivos IoT. Quando um produto “quebra”, é provável que seja a rede que parou de funcionar. Enquanto os integradores continuarem arrumando fios das casas, haverá necessidade de instaladores de tecnologia.

6. A entrega de dispositivos Smart Home como presente está aumentando, expandindo o universo de potenciais usuários.
A Parks Associates estima que cerca de 20% dos proprietários de dispositivos inteligentes recebem seus produtos como presente. A pesquisa indica que 36% dos usuários comprarão esses produtos como presentes, potencialmente para pais que não são tão experientes em tecnologia quanto a geração mais nova.

7. Um novo paradigma da cadeia de suprimentos está contribuindo para a adoção em massa de tecnologias domésticas.
Agora é mais fácil do que nunca encontrar, comprar e receber qualquer equipamento eletrônico, às vezes fornecido no mesmo dia que comprou. Esta cadeia de suprimentos, por sua vez, é usada para administrar instaladores e prestadores de serviços de forma mais eficiente do que nunca, reduzindo o custo das instalações, graças a roteadores mais inteligentes e equipes maiores.

8. Talvez não em 2018, mas certamente, até 2019, estaremos vendo um suporte ao cliente muito mais interativo através da realidade virtual e da realidade aumentada.
Os instaladores menos experientes podem ser enviados para casas, usando fones de ouvido VR para se comunicar com um centro de suporte técnico, com pessoal mais experiente que não precisa perder tempo no trânsito.

9. Cibersegurança
As pessoas têm medo de fazer sozinhas. O diretor de segurança, agora encontrado na maioria das empresas, entrará no lar, protegendo a segurança física (pessoas e propriedades) e a segurança digital (dados e privacidade).

 

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…