5 tendências tecnológicas que afetarão o setor de segurança em 2024

Por Johan Paulsson, CTO da Axis Communications

Mesmo para aqueles de nós que trabalham no setor de tecnologia há décadas, o ritmo das mudanças nos últimos 12 meses foi extraordinário. Mais uma vez, não temos dúvidas de que as inovações tecnológicas estão trazendo tanto grandes oportunidades quanto desafios mais complexos do que já enfrentamos antes. E elas não mostram sinais de desaceleração. Acompanhar o ritmo das mudanças e suas implicações – para fornecedores, clientes e órgãos reguladores – exige foco, energia e diligência.

As principais tendências tecnológicas que, em nossa opinião, afetarão o setor de segurança em 2024 refletem esse ambiente em rápida evolução. Como sempre, elas são uma mistura de oportunidades positivas a serem aproveitadas, juntamente com os desafios que precisam ser enfrentados.

O potencial da IA generativa no setor de segurança

Publicações anteriores sobre tendências tecnológicas destacaram o potencial da IA e da aprendizagem profunda no setor de segurança, com foco especial em análises avançadas na ponta da rede, ou seja, nas próprias câmeras.

Essa proliferação da aprendizagem profunda na ponta está se acelerando. Praticamente todas as novas câmeras de rede que são lançadas apresentam recursos de aprendizagem profunda, que melhoram muito a precisão da análise. Esses recursos são a base para a criação de soluções de nuvem dimensionáveis, pois eliminam os requisitos pesados de largura de banda, reduzem o processamento e tornam o sistema mais confiável.

No entanto, em termos de IA, 2023 foi o ano em que os modelos de linguagem grande (LLMs), como base para a IA generativa, forçaram sua entrada na consciência pública. Essa forma de IA apoia a criação de novos conteúdos – palavras, imagens e até mesmo vídeos – com base em solicitações de linguagem natural e perguntas dos usuários.

Todas as empresas estão analisando o possível uso da IA generativa, algo que também acontece no setor de segurança. Em 2024, veremos aplicativos voltados para a segurança surgirem com base no uso de LLMs e IA generativa. Eles provavelmente incluirão assistentes para operadores, ajudando-os a interpretar com mais precisão e eficiência o que está acontecendo em uma cena e como suporte interativo, fornecendo respostas mais úteis e acionáveis às consultas dos clientes. Além disso, a IA generativa já provou seu valor no desenvolvimento de software, e esse será um benefício visto em todo o setor de segurança.

É claro que precisamos estar cientes dos riscos e das possíveis armadilhas da IA generativa. Haverá debates sobre quais modelos empregar e principalmente sobre o uso de modelos de código aberto versus modelos proprietários, mas o maior risco será ignorá-la.

Eficiências no gerenciamento de soluções que impulsionam a arquitetura híbrida

As arquiteturas de soluções híbridas, ou seja, aquelas que empregam as vantagens das tecnologias locais, de nuvem e de borda, agora são estabelecidas como o novo padrão em muitas soluções de segurança. As funcionalidades são implementadas onde é mais eficiente, utilizando o melhor de cada instância em um sistema, adicionando um nível maior de flexibilidade. Em última análise, as arquiteturas de sistema devem atender às necessidades do cliente, e não à estrutura preferida do fornecedor.

Em grande parte, trata-se de uma questão de acessibilidade. Quanto mais uma solução existir em ambientes facilmente acessíveis tanto para fornecedores quanto para clientes, maior será a capacidade dos fornecedores de gerenciar elementos do sistema, assumindo uma responsabilidade maior e reduzindo a carga sobre os clientes.

As arquiteturas híbridas também suportam os casos de uso futuros para suporte e automação de IA no gerenciamento e na operação da solução; o aumento da acessibilidade do sistema é valioso tanto para o suporte humano quanto para o suporte de IA, aproveitando os pontos fortes de cada instância diferente.

Segurança sempre, mas proteção também

A segurança e a proteção sempre foram relacionadas como um único assunto. Cada vez mais, elas estão sendo reconhecidas como casos de uso separados: a segurança está relacionada à prevenção de atos intencionais – arrombamentos, vandalismo, agressão a pessoas etc. – e a proteção está relacionada aos perigos e incidentes não intencionais que podem causar danos às pessoas, à propriedade e ao meio ambiente.

Por vários motivos, o uso da vigilância por vídeo e da análise em casos de uso de segurança está crescendo rapidamente e continuará a crescer.

Um dos motivos, infelizmente, é a mudança climática. Com condições climáticas extremas causando enchentes, incêndios florestais, deslizamentos de terra, avalanches e outros desastres, a vigilância por vídeo, os sensores ambientais e a análise serão cada vez mais usados pelas autoridades para alertar antecipadamente sobre possíveis desastres e dar suporte à resposta mais rápida e eficaz.

O gerenciamento de riscos, a conformidade com as diretrizes de saúde e segurança e os requisitos regulatórios são outro motivo importante para o crescimento contínuo dos casos de uso relacionados à segurança. A vigilância por vídeo será amplamente usada nas organizações para garantir a adesão às políticas de saúde e segurança e às práticas de trabalho seguras, como o uso do equipamento de proteção individual (EPI) necessário. Quando ocorrerem incidentes, a vigilância por vídeo será uma ferramenta cada vez mais útil e importante nas investigações.

A segurança como um caso de uso para a vigilância está bem estabelecida. A proteção continuará a evoluir.

Regulamentação e conformidade impulsionando a tecnologia

Falando em conformidade, o ambiente regulatório global está tendo um impacto cada vez maior no desenvolvimento da tecnologia, na sua aplicação e no seu uso. A conformidade com essas normas é algo de que os fornecedores e usuários finais precisam estar cientes e devem procurar trabalhar em estreita parceria para garantir.

IA, segurança cibernética, sustentabilidade, governança corporativa – todas essas áreas estão sendo submetidas a um maior escrutínio regulatório. Os fornecedores precisam desenvolver suas próprias tecnologias e operar seus próprios negócios para atender aos requisitos de conformidade de seus clientes.

Cada vez mais, o cenário regulatório abrange mais do que o desenvolvimento específico e o uso da tecnologia em si. A geopolítica e as relações comerciais entre as nações exigem transparência e também estão levando as regulamentações a um alto nível para que os fornecedores mantenham suas licenças para operar nos principais mercados internacionais.

Trata-se de uma área em constante evolução e mudança, que exige diligência, desenvolvimento e transparência constantes em toda a cadeia de valor. Para os usuários de tecnologia de segurança, é uma questão de confiança. Como eles podem ter certeza de que todos os elos da cadeia de suprimentos estão operando de forma a apoiar sua própria conformidade regulamentar?

Adotando a perspectiva do “sistema total”

O impacto de todos os aspectos de uma solução de segurança estará sob maior escrutínio, com fornecedores e clientes precisando monitorar, medir e, cada vez mais, relatar uma ampla gama de fatores. Será essencial adotar uma perspectiva de sistema total.

O consumo de energia é um bom exemplo. Uma câmera de vídeo consome uma quantidade relativamente pequena de energia. Mas se considerarmos também os servidores, switches, hubs e roteadores pelos quais os dados são transferidos, localizados em grandes data centers que precisam de refrigeração, o quadro muda.

Essa perspectiva do sistema total é útil e deve ser bem recebida pelo setor. Ela levará a inovações em novas tecnologias e câmeras que trazem benefícios para todo o sistema, e não isoladamente. As câmeras que reduzem a taxa de bits, o armazenamento e a carga do servidor com a intenção de reduzir os requisitos de resfriamento do servidor são um bom exemplo. O transporte mais eficiente de produtos, as embalagens sustentáveis e o uso de componentes padrão também podem desempenhar um papel importante. Visibilidade e maior controle em toda a cadeia de suprimentos são essenciais.

Todos nós aceitamos que o custo total de propriedade (TCO) é uma medida importante, mas os fornecedores de segurança precisarão cada vez mais considerar (e ser transparentes sobre) o impacto total da propriedade, levando em conta aspectos não financeiros, inclusive ambientais e sociais. Não será mais possível que os fornecedores operem isoladamente em suas próprias cadeias de valor e nas de seus clientes.

Não temos dúvidas de que em 2024 haverá mais avanços na tecnologia e, com isso, mais desafios para todos nós. Como sempre, estamos ansiosos para trabalhar com nossos parceiros e clientes para garantir resultados positivos para todos, dentro e fora do setor.

Notícias Relacionadas

Destaque

Drones com sensor de calor são usados para buscar foragidos em Mossoró; entenda a tecnologia

Drones com sensores térmicos foram mobilizados na busca pelos criminosos que fugiram do presídio de segurança máxima, em Mossoró (RN),…

Destaque

Revolução na segurança de usinas fotovoltaicas: a essencial integração de radares e drones para proteção avançada

As usinas fotovoltaicas desempenham um papel crucial na geração de energia limpa e sustentável no Brasil, no entanto, essas instalações…

Destaque

Cidades Inteligentes: Governo de Goiás vai instalar 564 câmeras de monitoramento

Equipamentos serão instalados em Goiânia, cidade de Goiás e municípios do Entorno do Distrito Federal. Câmeras utilizam tecnologia de inteligência…