5 métodos de backups e redundâncias que uma central de monitoramento deve ter

Quando se trata de oferecer serviços de monitoramento de alarmes para um empresa, indústria ou condomínio, é essencial garantir a continuidade segura de toda a operação, mesmo diante de imprevistos como pane no sistema, queda de energia, falha de internet, incêndio, entre outros.

E para que isso aconteça o profissional de segurança precisa ter alguns sistemas de backups redundantes em sua central de controle. A Égide Service, uma das maiores empresas de terceirização de centrais de monitoramento, lista abaixo os 5 tipos básicos de redundância.

1. Duplicação de Dados

Uma das formas mais conhecidas de armazenas os dados de uma empresa são em equipamentos como hard drive, servidores locais ou dispositivos de storage. Entretanto, em uma falha grave na infraestrutura, como alagamento, por exemplo, esse método pode ser ineficaz.

Por isso uma maneira segura de guardar os dados é utilizando um serviço de backup na nuvem. Os dados são hospedados em diversos servidores em diferentes localidades, aumentando o nível de segurança e tornando o método imune a falhas.

2. Duplicação de Sistemas

Os softwares representam uma parte vital dentro de uma operação de monitoramento. É através deles que toda a vigilância é feita, por isso é importante que a empresa tenha backups dos scripts do sistema para preservar a estrutura da plataforma em caso de acidentes ou ataques que prejudiquem o seu funcionamento. 

3. Duplicação de Internet

Para garantir que a rede permaneça sempre online é necessário contratar pelo menos dois serviços de internet banda larga, assim, se uma operadora falhar no fornecimento do sinal, haverá outra disponível para garantir a conexão.

4. Duplicação de Energia

Outra redundância necessária é a de energia elétrica. Principalmente no Brasil, onde existe uma queda frequente no fornecimento de luz, é fundamental uma outra opção de fornecimento de energia, como nobreaks e até um sistema de gerador.

5. Duplicação de data center

Os data centers são os responsáveis por manter as comunicações de dados ativas e infelizmente essa solução também está sujeita a falhas. Por isso, no caso de uma paralização, a central de monitoramento precisa ter servidores auxiliares, que podem ser acessados inclusive via intranet, além de switches, roteadores e hubs.

Montar e manter uma estrutura como essa demanda um alto investimento inicial e um grande custo mensal de manutenção, por isso, essa pode ser uma opção inviável para a maioria dos profissionais de segurança.

Porém, existe no mercado um serviço conhecimento como “central de monitoramento terceirizada”, que coloca à disposição do revendedor, integrador e instalador toda a sua estrutura de móveis, equipamentos, tecnologia e equipe. A central realiza toda a parte operacional para o profissional, fazendo os atendimentos e vigilância do cliente final, e cobrando apenas um valor por conta ativa.

Dessa forma, a empresa de segurança não precisa se preocupar com infraestrutura, escalabilidade ou custos trabalhistas, toda a sua dedicação e foco pode ser aplicada no crescimento da companhia e na conquista de novos clientes.

Para saber mais sobre como funciona uma central de monitoramento terceirizada, acesse: www.egideservice.com.br.

Notícias Relacionadas

Artigos

Radares: evolução e aplicação na segurança patrimonial

Por Engº Kleber Reis Eles são destaque nas feiras de segurança no Brasil e no mundo, e não é por…

Destaque

Como funciona a lei em relação à exposição de imagens em câmeras de segurança?

Francisco Gomes Júnior, advogado especialista em direito digital, explica que imagem é um dado pessoal e que não é permitido…

Destaque

Acaba de chegar ao Brasil drone capaz de voar 24 horas por dia

Desembarcou essa semana em São Paulo, diretamente de Israel, o drone cabeado com a capacidade de voar 24 horas por…