Tendências de Internet das Coisas para 2018

A Internet das Coisas (IoT) apareceu constantemente no noticiário em 2017, seja devido ao desenvolvimento de novos dispositivos, aos ataques cibernéticos usando dispositivos não garantidos ou mesmo por conta da criação de novas divisões IoT em empresas como Dell e Rolls-Royce . Definitivamente, ouvimos falar muito sobre soluções emergentes de software ou plataforma.

O aumento nos dispositivos conectados ao longo do ano passado, de torradeiras a escovas de dentes, mostra que podemos estar cada vez mais perto da previsão do Gartner de mais de 20 bilhões de coisas conectadas até 2020.

À medida que a oportunidade no setor de IoT continua a aumentar, empresas em todo o mundo procuram uma maneira de entrar em ação. A fase de exploração/descoberta acabou e a implantação mais generalizada está a caminho.

Pesquisa mais recente da Inmarsat, descobriu que 70% das grandes empresas de mineração global concordaram que a IoT lhes daria uma vantagem competitiva significativa, com 44% dizendo que lhes permitiria identificar oportunidades de economia de custos e eficiência e 41% de relatórios que usariam o IoT para aumentar a automação dos processos de negócios.

No varejo, por exemplo, as empresas estão interligando sistemas de pontos de venda com suas bases de dados, que estão multiplicando-se por causa da IoT, permitindo a correlação de dados dos PoS com o número de pessoas que entram na loja, indicadores sobre as áreas da loja que visitaram, dados demográficos, tudo isso vinculado às taxas de conversão.

“Em 2018, as empresas começarão a sofisticar o emprego do Analytics sobre as estruturas de IoT”, disse Christian Renaud, diretor de pesquisa na 451 Research. Hoje, segundo ele, a maioria da empresas armazena cerca de metade dos dados que captam e analisa aproximadamente metade do que está armazenado.

A tendência mais forte, segundo eles, será o uso de equipamentos dedicados, nos extremos das redes de IoT, para conectar dispositivos ou fazer alguma forma de analytics ou aplicações de controle.

Ao longo de 2017, as ferramentas mais relevantes foram desenvolvidas para funcionarem nos principais provedores de nuvem, como AWS, IBM e Microsoft. Em 2018, em vez de utilizar apenas a nuvem, novos projetos de IoT  aproveitarão a capacidade das “Coisas” de processamento e análise.

“Isso reduzirá os custos de ingestão de dados e a latência da rede, fazendo com que seja cada vez mais raro utilizar esse tipo de plataforma com a capacidade de processar dados apenas na nuvem. E, por ser complexo manter soluções que fazem o processamento das informações tanto nos dispositivos quanto em cloud, os projetos dependerão ainda mais de grandes plataformas IoT se quiserem ter competitividade no mercado nos próximos anos”, comentou Gabriel Dias, líder de projetos IoT da Semantix.

Aqui estão algumas tendências da IoT a serem observadas em 2018, de acordo com os especialistas

1 – Aumento do uso de Inteligência Artificial
O ano passado assistimos a um impulso irresistível para adoção de Inteligência Artificial nas empresas, e a IoT não está distante deste movimento.

IoT é uma veia rica para a IA e a aplicação de Machine Learning, uma vez que as frotas de dispositivos conectados – vamos pegar carros, por exemplo – precisarão ser automatizadas para que possam reagir ao seu ambiente. Além disso, os enormes volumes de dados criados por esses dispositivos oferecem aos desenvolvedores de IA uma tela rica para criação.

Mike Bell, EVP de dispositivos e IoT da Canonical disse ao Computerworld UK que “o Machine Learning se tornará cada vez mais popular, pois as pessoas realmente não sabem o que estão procurando, então eles podem usar conjuntos de dados de treinamento para analisar padrões e aprender coisas que eles não entendiam antes”.

2 – Mudando para a borda
À medida que a taxa de implantações do IoT aumentar, espera-se que o processamento e o armazenamento de dados no extremo da rede desempenhem um papel mais significativo nas aplicações IoT, especialmente em áreas industriais onde os ativos estão operando a grandes distâncias da infraestrutura principal.

De acordo com um relatório IDC FutureScape, pelo menos 40% dos dados criados pela IoT serão armazenados, processados, analisados ​​e agendados próximo ou no extremo da rede até 2019.

“O que vamos ver é o conceito de computação em todos os lugares. Então, a nuvem continuará sendo importante. Você não ficará com carga de trabalho, porque terá mais cargas de trabalho na borda”, disse Bell, da Canonica. “Teremos a capacidade de executar cargas de trabalho interessantes localmente e em outros lugares onde fizer sentido manter as coisas à margem”, acrescentou.

3 – Novos modelos comerciais
As escolhas tradicionais feitas pelas empresas para conectividade IoT foram WiFi e redes móveis. No entanto, à medida que o uso de IoT se torna mais avançado, as organizações estão considerando novas opções de conectividade, como 5G e LPWAN, que têm registraram aumentos constantes de adoção no ano passado.

O desenvolvimento de novas tecnologias integradas e modelos de negócios aumentará a importância da conectividade, e o que as empresas procuram são conexões de baixo custo com longevidade, que não usem muito poder.

Uma coisa que será notada é o novo tipo de aplicações que serão desenvolvidas após o uso da tecnologia LPWAN. Por exemplo, “ao incluir sensores dentro de quase qualquer recurso, os fabricantes podem sentir quando um produto está prestes a desgastar e substituí-lo por um novo”, explicou Bell.

4 – Adoção de Blockchain
De acordo com Igor Illunin, chefe da prática da IoT na DataArt, Blockchain tem potencial para transformar a capacidade da organização e alavancar os ativos da IoT.

“A tecnologia Blockchain tem o potencial para levar a capacidade da IoT a ajudar as empresas a direcionar os consumidores de forma mais eficiente. Todos os sistemas de dispositivos IoT interligados podem usar blocos de bloqueio para organizar, armazenar e compartilhar fluxos de dados de forma eficaz e confiável”, disse ele. “Espera-se que esta tecnologia desempenhe um papel fundamental na multidão de indústrias que gerenciam objetos do mundo real, movendo-se em diferentes regiões geográficas, fazendo com que o Blockchain seja uma das principais tendências de IoT em 2018”.

5 – Transformação Digital
A IoT tem tido grande importância na condução de esforços de Transformação Digital de muitas empresas, uma vez que elas obtêm novos conhecimentos sobre seus ativos e podem criar novos modelos de negócios com base em dados e análises.

“A malha digital inteligente é uma base para o futuro dos negócios digitais e dos ecossistemas. Os líderes de TI devem influenciar essas tendências tecnológicas em suas estratégias de inovação ou arriscar-se a perder terreno para aqueles que fazem”, opinou David Cearley, analista do Gartner.

6 – Segurança
“O elefante na sala da IoT” é a segurança. Os dispositivos são profundamente vulneráveis ​​a ações mal-intencionadas e muitos acreditam não haja uma solução fácil para esse problema. Simplificando, nunca será economicamente viável montar uma cibersegurança forte em certos tipos de terminais de IoT. Isso significa que a verdadeira cibersegurança para a IoT terá de vir de outro patamar da arquitetura. Da infraestrutura de rede, talvez, ou até de níveis mais elevados, conforme grupos de empresas desenvolvem normas abrangentes.

De acordo com o Barômetro IoT 2017/18, da Vodafone, um total de 72% daqueles que já adotaram IoT têm preocupações com segurança e privacidade. No entanto, curiosamente, eles acreditam que os problemas nesse campo tendem reduzir muito, abrindo caminho para um uso muito maior de IoT. Esperam que a indústria passe a olhar com mais cuidado para as questões de segurança também. Na opinião desses pioneiros no uso da IoT, o aumento dos ataques de botnet deve forçar os vendedores considerarem mais a  segurança de nível básico, tornando-a uma prioridade.

“Acho que vamos ver a segurança ser levada mais a sério do que foi. Há uma consciência geral, depois das manchetes negativas. Elas chamaram a atenção para a necessidade de garantir que as coisas conectadas sejam seguras”, comentou Bell, da Canonical.

“Embora a conscientização de segurança esteja crescendo, a experiência do cliente, o custo e os requisitos de tempo de mercado continuam a prevalecer sobre os requisitos de segurança. Como consequência dessa negligência, haverá mais ataques relacionados a Internet das Coisas tanto em dispositivos quanto na infraestrutura da nuvem. O principal objetivo será comprometer sistemas para extrair dados confidenciais coletados pelos sensores e outros dispositivos”, afirmou Gabriel Dias, da Semantix.

“Chegamos a um ponto na evolução da IoT em que precisamos repensar os tipos de segurança que estamos usando”, disse P.K. Agarwal, reitor da Northeastern University, no Silicon Valley. “Ou abordamos, de fato, os desafios específicos de segurança das IoT, ou acabaremos por aplicar modelos de segurança existentes com a esperança de que sejam suficientes, continuando vulneráveis”.

Como os fornecedores tornando a segurança uma prioridade, serão desenvolvidos mais dispositivos que atrairão o interesse das empresas para integrar seus ativos e começarão a gerar um valor imprevisto a partir deles.

Fonte: CIO

Notícias Relacionadas

Em Foco

Em Foco com Segware: Tecnologia e inovação no DNA

Com a chegada de novos sócios, a Segware planeja expandir e internacionalizar a marca para países como Estados Unidos e…

Segurança Eletrônica

ISC Brasil apresenta soluções de segurança e monitoramento por câmeras baseadas em inteligência artificial

Imagens em alta definição, vigilância de vídeo por meio de inteligência artificial, monitoramento de imagens ao vivo com sensor de…

Artigos

Você é gestor, mas conhece a fundo seu negócio?

Por Marcelo Teixeira O gestor sempre conhece o seu negócio. Parece óbvio, não é? Nem sempre. Para muitas empresas –…