Controle de acesso monitorado ou não monitorado?

Dentro do contexto de controle de acesso, não é comum nos referirmos a essa solução relacionada a monitoramento. Esses termos são mais comuns no nosso mercado quando nos referimos à proteção patrimonial, segurança perimetral, etc. O entendimento básico é que podemos ou não manter um monitoramento ostensivo em relação ao controle de acesso. Analisemos duas situações distintas:

a) Um pequeno comércio: nesse local, há o planejamento de abertura e fechamento, horários e dias de funcionamento, e também salas mais protegidas, como acesso à sala gerencial ou ao almoxarifado, que devem obedecer a critérios de quem pode entrar em cada um desses ambientes.

b) Um prédio comercial de alto fluxo: Nesse empreendimento, além de haver um fluxo muito alto de pessoas, há também maior assédio de entrada de pessoas não autorizadas, ou pessoas que não são mais bem-vindas por quaisquer motivos, ou simplesmente que precisam respeitar uma agenda específica de acesso. Bem como pessoas que não podem entrar com seus veículos nos estacionamentos, ou devem respeitar setores específicos para esse acesso. Além de áreas de segurança, como sala de supervisão, salas de geradores, bombas, etc.

Analisando essas duas situações é fácil perceber que, na primeira, não é necessário um monitoramento ostensivo, basta que os acessos, permissões, cartões, estejam devidamente configurados e preparados, e manter a instituição operando. Já no segundo caso, é preciso um monitoramento ostensivo, é preciso que seja acompanhado o dia a dia, pronto atendimento em casos de ocorrências, sejam de intrusões, fraudes de acesso ou simplesmente manutenção.

É fundamental entendermos essas diferenças, pois no mercado podemos encontrar produtos que nos direcionem para esse ou aquele mercado, com diferenças de preços, funcionamentos, etc. E aproveitar as diferenças desses produtos também é muito importante. Um sistema mais enxuto pode ser a medida exata para o cliente A, e um produto mais complexo poderia gerar custos maiores ou maior manutenção para esse mesmo cliente, como também um cenário mais adequado para o cliente B.

É preciso que estejamos antenados e atualizados com relação ao que o mercado nos oferece, em termos de escalabilidade, recursos e continuidade.

Para ajudar nessas questões, a CDVI oferece duas linhas de produto, a Atrium e a Centaur.

A Atrium atende plenamente situações como a A, e é amplamente difundida em mercados como os Estados Unidos, onde a utilização desse modelo de negócio é amplo e corriqueiro.

A Centaur já oferece uma gama altíssima de recursos, monitoramento, personalizações, que visa atender as demandas mais complexas, mais detalhadas, estruturas mais detalhadas.

Por Silvano Barbosa – CDVI Regional Sales Manager Brasil

Notícias Relacionadas

Segurança Eletrônica

Genetec expande seu portfólio de infraestrutura de segurança física para clientes de todos os tamanhos

A Genetec vai apresentar na ASIS 2017, evento direcionado para os profissionais de segurança, as novas adições à sua linha de…

Segurança Eletrônica

SCATI lança NVR compacto com 1TB de armazenamento

A SCATI apresenta ao mercado um novo gravador de vídeo desenvolvido para atender as necessidades de gravação de pequenas instalações,…

Segurança Eletrônica

Trilobit lança versões de entrada Smart SE, TriW SE e TriP SE, baseadas nas soluções de acesso da marca já consolidadas no mercado

A Trilobit desenvolveu versões de entrada de soluções já consagrados da marca, porém com valores reduzidos, voltados para pequenos projetos….