Azul Linhas Aéreas: Voando com segurança

Contando com mais de 22 de milhões de clientes transportados por ano, a terceira maior companhia aérea do país compartilhou com a Revista Segurança Eletrônica como funciona o seu sistema de segurança e quais são as soluções utilizadas para manter os seus passageiros e colabores seguros.

Por Fernanda Ferreira

A Azul é a terceira maior companhia aérea do Brasil, e detém uma frota de 134 aeronaves e dez mil tripulantes, além de realizar 860 voos diários para 104 destinos diferentes, nacionais e internacionais, totalizando uma média de 22 milhões de clientes transportados por ano, o que representa 30% das decolagens realizadas no país.

Além do cuidado com a segurança de milhões de passageiros, a Azul também tem como ponto de atenção a segurança dos aeroportos, terminais de cargas, hangares e prédios administrativos.

Para garantir que todo o seu processo de segurança fosse eficaz, a Azul procurou na segurança eletrônica as ferramentas que precisava para monitorar e gerenciar todas as suas unidades, e encontrou no Grupo GPS as soluções que precisava.

“Quando realizamos a busca por fornecedores, procuramos empresas que conseguissem nos atender no âmbito nacional, que fossem a extensão do nosso braço e cuidassem do que acontecesse na ponta. É importantíssimo esse Por Fernanda Ferreira entrosamento para se ter um bom resultado. Se eu tivesse dez fornecedores, acredito que não alcançaria o excelente resultado que tenho hoje”, explicou . “Não preciso gastar tempo escolhendo uma solução de qualidade para instalar nas nossas unidades, porque tenho confiança no meu integrador. Em quase tudo a segurança eletrônica consegue ajudar hoje na operação da empresa”, disse Jefferson.

A GPS fornece para a Azul toda a parte de gravação de imagens (CFTV), alarme, links de comunicação, segurança patrimonial e gerenciamento das ocorrências, tudo através de um sistema de locação de equipamentos e manutenção preventiva e corretiva das soluções. “Há seis anos começamos nossa parceria com a Azul com a parte de segurança eletrônica em sete unidades. Hoje estamos presentes em âmbito nacional realizando a prestação de serviços em eletrônica e patrimonial em 40 unidades”, falou Marcos Serafim, diretor de segurança eletrônica na GPS.

Grupo GPS

São mais de 700 câmeras Intelbras instaladas e 490 câmeras que gravam remotamente (armazenando imagens localmente por 30 dias e na nuvem por cinco dias), e que atendem nove aeroportos, como Aeroporto Internacional de Campinas, em São Paulo, Aeroporto Internacional de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, Aeroporto Internacional de Fortaleza, no Ceará, além de quatro hangares, 13 terminais de cargas, dois almoxarifados e dois prédios administrativos.

“Nosso trabalho é garantir uma imagem de qualidade e que as gravações estejam disponíveis quando a companhia precisar. Também fazemos um acompanhamento mensal e fornecemos indicadores informando todas as ocorrências que aconteceram ao longo do mês”, contou Marcos.

O gerenciamento das soluções é realizado pela plataforma Performancelab, sistema de medição integrado a central de monitoramento da GPS que evidencia a execução de serviços, determina o nível de seu desempenho, aponta desvios nos processos e ajuda no encaminhamento de soluções. Os dados recebidos da operação dos serviços são transformados em informações que auxiliam na padronização dos processos, medição do desempenho, na tomada de decisões e no encaminhamento de soluções.

Jefferson Barbosa, gerente de Segurança Patrimonial da Azul

O sistema foi implantado na área operacional, para a gestão das atividades de segurança, tanto na parte de ocorrências nas gravações das imagens, como na parte de manutenção dos equipamentos. “A plataforma Performancelab me notifica, por exemplo, quando algum equipamento instalado em qualquer um dos aeroportos que atuamos parou de funcionar. O próprio sistema gera uma ocorrência e envia para a nossa central de monitoramento um aviso que determinada câmera não está mais conectada. A partir do alerta, conseguimos realizar o processo de manutenção. Isso simplifica a operação, porque faz com o que operador não tenha que ficar checando câmera por câmera todos os dias para certificar que está tudo funcionando”, explicou Serafim.

A segurança patrimonial também utiliza o sistema para gerenciar as rondas dos vigilantes. No sistema, o vigia registra todos os processos, como inspeções e ocorrências encontradas nas rondas, e a partir dos dados obtidos é possível tomar decisões e encontrar respostas mais rápidas para determinadas situações. “O Performancelab pode monitorar os processos e evidenciar quando existem desvios. O conceito de gestão de risco também vai nessa direção, que é garantir que os processos ocorram da forma como foram planejados”, explicou Fernando Só e Silva, CEO da Performancelab.

Jefferson Barbosa, Marcos Serafim e Fernando Só e Silva

Segurança personalizada

A estrutura de segurança da Azul muitas vezes precisa de projetos personalizados para resolver situações que apresentam problemas de proteção, como as constantes ocorrências de extravio de bagagens que aconteciam no aeroporto de Campinas, em São Paulo. Uma quadrilha substituía a bagagem do passageiro por uma vazia. A câmera, que antes filmava o ambiente de uma forma geral, passou a focar nas filas. Quando a polícia procurou a companhia aérea, foi possível identificar os indivíduos, graças a adequação do projeto de posicionamento das câmeras.

“Também estávamos tendo roubos constantes de material de escritório e em um desses furtos 14 ultrabooks foram levados. Fizemos um esquema de segurança com câmeras que gravam imagens noturnas e controle de acesso no estoque e conseguimos identificar através das soluções de segurança o horário de entrada e saída e o caminho percorrido pelo indivíduo até a sala de estoque”, contou Jefferson.

Novos projetos

A Azul está agora com novos planos em parceria com a GPS e a Performancelab, com o objetivo de melhorar a segurança, indo além da vigilância, e focando na prevenção. O projeto, que está em fase de testes, foi aplicado em uma área nova de almoxarifado que armazena materiais aeronáuticos com alta valor agregado. No novo setor foram instalados o máximo de soluções de segurança eletrônica e realizado o mapeamento de todos os procedimentos para serem registrados no Performancelab. Dessa forma o sistema consegue identificar possíveis falhas durante os processos e assim fazer a prevenção de perdas de materiais. A tendência é a aplicação deste mesmo projeto em outras dez unidades de almoxarifado da Azul, à medida que os resultados se comprovem efetivos.

Melhores práticas de segurança

As quatro principais companhias aéreas do Brasil realizam reuniões periódicas para discutir as melhores práticas de segurança que cada empresa desenvolve, a concorrência nessas ocasiões é deixada de lado, e a troca de conhecimento e experiência é que ganham espaço. “A área de segurança tem um contato constante. Discutimos até indicadores que as empresas usam para padronizar o sistema utilizado. Nós temos consciência que o que testamos e vemos que dá resultado, o outro também pode aplicar e vice-versa”, disse Jefferson.

Notícias Relacionadas

Destaque

Apesar da alta de assaltos, brasileiro investe pouco em segurança residencial

Chega período de férias e a preocupação de deixar a casa vazia aumenta. E não é por menos. Segundo dados…

Destaque

Seventh e Grupo Policom firmam parceria

O Grupo Policom  e a Seventh firmaram uma parceria comercial. Dessa forma, a distribuidora passa a oferecer as soluções de…

Destaque

Genetec anuncia novo representante de vendas para a Região Norte e Nordeste

A Genetec anunciou a contratação de Nabyael Barros como representante de vendas para a Região Norte e Nordeste. O engenheiro…