Abordagens colaborativas eficazes para a vigilância da cidade

Hoje, mais da metade da população mundial vive nas cidades. Até 2030, está previsto que duas em cada três pessoas viverão em uma área urbana, já que nosso planeta abriga 41 megacidades com mais de 10 milhões de habitantes cada. Isso não é surpreendente. Cidades bem-sucedidas atraem empresas, fomentam a inovação e oferecem inúmeras oportunidades para seus cidadãos.

À medida que a população muda e o número de habitantes continuam a aumentar, temos a oportunidade de tomar decisões importantes sobre o que as nossas cidades serão no futuro. Com planejamento cuidadoso e previsão, podemos começar a estabelecer as bases que garantam o sucesso contínuo de nossas cidades e cidadãos.

Embora esta tarefa possa parecer tão esmagadora quanto uma gigantesca metrópole indisciplinada, ela não precisa ser. Podemos começar a tomar boas decisões simplesmente entendendo a verdadeira natureza de nossas cidades. E o primeiro passo é reconhecer que a migração para áreas urbanas está produzindo novos desafios de planejamento, tanto para os governos municipais como para as empresas e, embora possam vir de diferentes setores, essas partes interessadas têm muitas preocupações comuns.

Uma preocupação fundamental para todos os interessados em uma cidade é a capacidade de ajudar os cidadãos a viverem harmoniosamente em um espaço seguro. Afinal, quando os cidadãos se sentem seguros, eles são mais propensos a se envolver na vida da cidade, que inclui o apoio às empresas e a participação na estrutura social. A tecnologia pode desempenhar um papel importante para fazer com que isso aconteça.

Podemos dar aos moradores da cidade o que eles querem?

É claro que, à medida que o número de cidadãos se concentra mais nas áreas do centro da cidade, os municípios devem garantir que possam se deslocar facilmente e manter uma alta qualidade de vida. Uma das principais razões pelas quais as pessoas se mudam para uma cidade é para um estilo de vida mais eficiente. Nós queremos viver perto de onde trabalhamos, fazemos compras e nos divertimos, e não queremos gastar todo o nosso tempo livre nos deslocando de um lugar para outro.

Para abordar isso, as cidades estão expandindo e melhorando calçadas, passarelas e criando mais espaços verdes. Não é suficiente, no entanto, simplesmente fornecer mais e melhores vias; também temos que garantir que esses espaços recém-criados e compartilhados sejam seguros.

Conforme as cidades crescem, nossa compreensão sobre segurança deve se estender muito além das forças policiais usando vigilância para combater o crime. Devemos também desenvolver iniciativas de segurança que incluam segurança econômica, que se relaciona com a infraestrutura que garante o sustento de uma comunidade, e segurança civil ou pública, que garante a integridade de pontes, pedestres, ciclovias e interseções.

Infelizmente, muitas vezes, as partes interessadas desenvolvem suas iniciativas e estratégias dentro de “silos” ou ambientes separados. Isso significa que, embora existam muitas abordagens possíveis para garantir a segurança pública, as conversas necessárias para realizar essas soluções não ocorrem, necessariamente, entre as partes interessadas. Quando os planejadores e os policiais estão em desacordo, e as empresas e os cidadãos não estão incluídos no projeto ou implementação, uma cidade pode perder oportunidades para melhorar a qualidade de vida de sua população.

Felizmente, as atitudes estão mudando e as cidades agora estão começando a perceber o benefício de ter partes interessadas diferentes se juntando para trabalhar em colaboração.

A vantagem de incluir as partes interessadas

Antes, o costume era que apenas os principais contribuintes, incluindo grandes proprietários, centros de convenções, setor de transporte e locais de entretenimento, eram vistos como partes interessadas da cidade. No entanto, limitando a nossa compreensão de quem são as partes interessadas de um município e abordando apenas suas preocupações, as cidades ficam aquém da resolução de muitos problemas importantes de proteção e segurança, e não conseguem abordar as preocupações de forma significativa.

Quando todas as partes interessadas são reunidas para colaborar no planejamento para o futuro, elas podem garantir que a eficiência, a qualidade e a segurança sejam levadas em consideração. Mas, em um nível prático, como isso pode funcionar? Como as partes interessadas podem se unir para manter e melhorar a vida dos cidadãos e onde a tecnologia se encaixa?

Como construir uma abordagem colaborativa

Nós vimos que uma das estratégias mais eficazes para o desenvolvimento de abordagens colaborativas bem-sucedidas para a segurança pública inclui três grupos separados. Esses grupos trazem seus próprios conhecimentos específicos para qualquer programa e avançam de diferentes maneiras.

O primeiro grupo é o departamento de polícia. Dado o foco e a experiência na redução da criminalidade e na segurança pública, mas não podemos parar por aí. A prefeitura e outras entidades municipais também devem ser incluídas para promover o programa. Com a capacidade de se comunicar de forma eficaz, bem como as ferramentas e sistemas de propaganda, os governos municipais desempenham um papel vital na divulgação. O grupo final é a comunidade empresarial que tem a experiência e precisa dirigir a operação. Sem o compromisso desses três grupos, qualquer programa não terá adoção em massa e não escalará, o que é crucial à medida que uma cidade cresce.

Esta abordagem colaborativa também requer o estabelecimento de uma ampla base de tecnologia integrada que se equilibre em vários públicos interessados e que possa atender às mudanças de necessidades de uma cidade. Um caminho para a integração envolve a implementação de um sistema grande que seria compartilhado por todos os interessados. No entanto, o custo de aquisição, instalação e manutenção de um sistema que satisfaça as necessidades de cada parte interessada é proibitivamente caro. Uma solução mais econômica e sustentável é que as partes interessadas mantenham acesso ao seu próprio sistema de plataforma aberta com a opção de compartilhar o acesso com outras pessoas no município quando há razões convincentes para fazê-lo.

Impacto da segurança pública na qualidade de vida

Uma iniciativa de segurança pública que inclui uma colaboração efetiva entre as partes interessadas e a tecnologia integrada pode melhorar drasticamente a qualidade de vida dentro de uma cidade. Por exemplo, conectando todos os sistemas de vigilância em uma área, os dados coletados podem ser usados para vários fins, incluindo investigar crimes, entender porque o tráfego aumenta em certas ruas em momentos específicos e identificar pistas com buracos que precisam ser arrumadas.

Profissionais de segurança e companhias de todo o mundo já utilizam vigilância por vídeo para monitorar e proteger empresas, edifícios, infraestrutura e pessoas. Muitos trabalham acreditando que, quando se trata de prevenir, mitigar ou investigar um crime, as imagens de qualidade são imprescindíveis. Isso significa que sistemas de vigilância de vídeo semelhantes estão sendo implantados por organizações, incluindo empresas privadas e governos municipais, em toda a maioria das cidades.

Esses sistemas estão coletando uma quantidade de dados quase imensurável com o objetivo de reduzir crimes. Cada vez mais, quando encorajamos os setores a se libertarem de pensamentos “contaminados”, vemos que esses sistemas podem, de fato, contribuir muito mais.

O papel da vigilância de vídeo

O primeiro passo para perceber a segurança pública em nossas cidades é obter uma cobertura onipresente, aproveitando os sistemas de vídeo que as pequenas e médias empresas já utilizam para monitorar atividades dentro e fora de suas instalações. Esses sistemas são instalados com a única intenção de proteger a segurança de edifícios, funcionários e clientes. Mas, como parte de um sistema integrado maior, essas mesmas câmeras agora podem gerar negócios, ajudando a criar espaços compartilhados mais seguros. Através da colaboração com a polícia, essas câmeras podem se tornar ferramentas essenciais para promover a segurança pública dentro de uma comunidade.

Para as autoridades, a grande quantidade de dados coletados por esses sistemas de segurança pode ser uma fonte de informação inestimável. Com um sistema integrado, os policiais são capazes de retirar informações que anteriormente não podiam acessar, que eram de má qualidade ou simplesmente demoravam muito para conseguir. Ter os dados facilmente acessíveis pode fazer toda a diferença ao responder a um chamado.

Ao melhorar o acesso à informação, as cidades aumentam a probabilidade de resolver um problema enquanto os policiais estão investigando. E, se o caso precisa ser assumido por pesquisadores, eles também têm acesso a mais informações que podem ser armazenadas, analisadas e usadas de forma mais eficaz durante o processo judicial. O resultado final é uma maior segurança pública, porque a força policial da cidade é capaz de operar de forma mais eficiente.

Colaboração e integração em uma grande escala

Os benefícios da colaboração e da integração também podem ser vistos ao considerar empresas privadas, como estádios esportivos, cujas atividades têm um grande impacto em múltiplos públicos envolvidos em uma área metropolitana, incluindo o governo local e as autoridades de trânsito. Quando se trata de hospedar eventos em larga escala, há muitos fatores a serem considerados para garantir a segurança pública. Além de assegurar que as pessoas se comportem de forma ordenada, também é importante fornecer transporte público adequado e oportuno para as multidões, controlar o fluxo de tráfego ao redor do estádio e manter o acesso a hospitais e distritos comerciais.

Ao realizar uma abordagem colaborativa da segurança pública, as câmeras que monitoram o trânsito de uma determinada área, por exemplo, poderiam continuar a vigiar de forma contínua pelo município, enquanto os policiais poderiam assistir as gravações apenas quando ocorresse eventos agendados no estádio. Isso permite que a polícia monitore as abordagens do local, sem a necessidade de instalar barreiras e reduzir o fluxo de tráfego na área.

Também permite que as autoridades se comuniquem com o governo local no caso de uma emergência, inclusive ajudando os primeiros socorristas a chegarem na cena em tempo hábil. Da mesma forma, o departamento de tráfego municipal pode trabalhar com o departamento de trânsito e procurar câmeras de vídeo locais para monitorar e regular o fluxo de tráfego e fornecer um acesso fácil e eficiente ao local para os veículos de transporte público.

Seguindo para as cidades inteligentes

Dado o sucesso que uma abordagem colaborativa de planejamento e desenvolvimento pode ter, é lamentável quando as conversas em torno da segurança são manchadas com outras discussões sobre o futuro da vida da cidade. Isso pode levar a perda de oportunidades e, no pior dos casos, possíveis falhas na segurança. Como vimos, os objetivos para a criação de uma cidade do futuro não são opostos aos que estabelecem uma cidade segura. Felizmente, todas as partes interessadas estão buscando cada vez mais criar cidades que usem a tecnologia para melhorar a eficiência e a segurança, a fim de proporcionar aos moradores uma vida melhor.

Uma maneira pela qual as cidades podem conseguir isso é incorporar sensores em suas infraestruturas que coletam e compartilham dados. Idealmente, esses sensores poderiam detectar padrões não naturais, fornecer resultados significativos e apoiar a tomada de decisões inteligentes com base nos dados que estão coletando. Os interessados podem então usar esses dados para tomar decisões sobre todos os tipos de questões ou preocupações, incluindo maior eficiência e segurança.

Essas cidades inteligentes vão implantar a tecnologia para tornar a vida decididamente menos frustrante e mais vibrante, transparente, responsável e eficiente. No seu núcleo, uma Cidade Inteligente será um espaço urbano que usa uma variedade de tecnologias para prestar atenção às necessidades de seus cidadãos e poder se adaptar a essas necessidades com base em dados claros.

Em última análise, a proteção e a segurança não estão vinculadas a uma única disciplina ou parte interessada. Fazemos o nosso melhor quando saímos dos nossos “silos” e trabalhamos juntos em uma ampla base de tecnologia integrada. Através da colaboração e da integração, podemos colocar os sistemas, plataformas e programas existentes para garantir a eficiência e a segurança de nossas cidades no futuro. À medida que mais pessoas mudam para as áreas urbanas, estaremos, de fato, proporcionando melhores espaços de vida e de trabalho para uma porcentagem cada vez maior da população da Terra.

Bob Carter
Gerente de desenvolvimento de negócios da Genetec Inc.

Notícias Relacionadas

Destaque

CDVI participa de um ciclo de palestras da FMU para alunos de Telecom e TI

No dia 13 de novembro a CDVI participou do ciclo de palestras promovida por professores e coordenadores dos cursos de…

Destaque

Evento Soluções de Segurança terá palestras técnicas e debates; inscrição gratuita

Acontece no dia 29 de novembro (quarta-feira), em São Paulo, o último encontro do ano organizado pela Revista Segurança Eletrônica….